23 julho, 2007

A Mesquita em Al' - 'Ullyã


É certo que a antiga Al’ – ‘Ullyã foi urbe de considerável importância durante o domínio árabe do Gharb, nomeadamente no período alomôada quando se tornou Medina. Como qualquer cidade islâmica tinha a sua mesquita que se acredita corresponder ao edifício da actual igreja matriz. Embora não exista ainda comprovação científica desta teoria que só seria possível com a realização de intervenções arqueológicas, esta hipótese parece sustentar-se em alguns argumentos sólidos.
À partida o que se evidencia na observação da igreja é a sua torre sineira, o que constitui primeiro ponto de ligação com esta hipótese. Embora sejam visíveis na torre diferentes fases de construção (sobretudo no que respeita ao seu coroamento superior) o seu embasamento denuncia, na forma de organização da silharia, uma tradição construtiva antiga que se assemelha na técnica de montagem, à de um minarete. Assim, a torre sineira da matriz de Loulé seria um dos poucos minaretes que efectivamente ainda existem em território português. Por outro lado, a orientação da torre, assim como as suas dimensões, relativamente à igreja e a própria orientação interna do templo que escapam aos cânones construtivos das igrejas cristãs e remetem mais uma vez para a orientação do templo muçulmano.
Observando a igreja e reconstituindo a sua planta ao nível do arranque das janelas, isto é despojando-nos daquilo que é acrescento e modificação térrea ao longo dos tempos, encontramos o eixo de orientação sul/sudoeste correspondente à direcção de Meca, essencial numa mesquita. Esta planta teria uma forma quadrada com o tramo central mais largo evidenciando o mihrab na parede da quibla, a chamada planta em T, característica também essencial numa mesquita, à semelhança do que acontece na matriz de Mértola que seria também a antiga mesquita do povoado islâmico.
Outras características construtivas que remetem para o séc. XIII são, por exemplo, os vestígios de um arco em ferradura na nave principal ao nível do clerestório, ou os capitéis, que parecem datar do séc. XIII e XIV. Embora a decoração vegetalista possa ser atribuível tanto a fábrica islâmica como cristã, alguns destes capitéis podem ser islâmicos ou compostos de reaproveitamentos islâmicos.
A transformação de mesquitas muçulmanas em igrejas cristãs foi uma prática corrente durante a “reconquista”, simbolizando, no poder instituído, a passagem do Islão para a cristandade em cada cidade, constituindo até, tarefa relativamente fácil. Neste caso teria sido mudada a orientação do templo, fechado aberturas, aberto a porta de entrada da igreja e localizado o altar-mor à sua frente.

A exploração por parte da autarquia da imagem da Igreja de São Clemente associada à antiga mesquita seria uma mais valia para promover a cidade em termos turísticos e culturais.

4 comentários:

Marco disse...

Sem dúvida que é de todo o interesse a utilização do legado islâmico para a promoção cultural de Loulé, mas tem que ser feito com as devidas cautelas para não se cair no exagero ou no desgaste rápido da imagem. Excelente nota histórica!

Susana disse...

Eu não penso numa exploração exaustiva, mas sim numa divulgação cuidada, como dizes, que conduza ao conhecimento e reflexão acerca da memória histórica, tanto daquele lugar como de todo o espaço citadino. Claro que essa divulgação teria que ser feita com as devidas precauções, e salvaguardando que se trata de uma teoria que embora coerente não tem ainda comprovação ciêntifica, mesmo para não induzir o público em erro, despertando falsas expectativas.

alfacinha-belga disse...

Estou sempre a procura para encontrar espólios do período islâmico em Portugal. Acho muito estranho que oitocentos anos estivessem apagados da memória histórica dum país. Felizmente, os últimos anos há uma mudança visível em Portugal para conhecer melhor este período. Por isso tinha lido com muito interesse as suas explicações.
Cumprimentos

Bernardo Nunes disse...

Caros leitores,

Creio que a actual Câmara Municipal de Alvito fica situada onde outrora estaria a mesquita muçulmana de Alvito. A câmara possui uma torre, que poderia ser o minarete, fica localizada no local mais elevado da vila, tem um enquadramento diferente aos restantes edifícios, podendo estar voltada a Meca.
Deixo-vos um link com fotografias minhas sobre Alvito e digam-me o que acham.
http://picasaweb.google.com/bernardoerasmus/Alvito#